Enem 01 de Setembro de 0098

Abstenção ao Enem foi de 26,4%

Notícias do Enem

Dos 157.076 alunos inscritos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizado no último domingo, 30 de agosto, 26,4% (41.534) não compareceram às provas.

O balanço final sobre o número de abstenções foi divulgado ontem (31 de agosto) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do MEC responsável pela avaliação.

Pernambuco, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro foram os estados que registraram o maior número de abstenções: 44,7%, 43% e 39,5%, respectivamente. No Rio e no Recife, choveu durante todo o domingo, o que pode ter atrapalhado o desenvolvimento do exame.

Já no estado do Paraná, que tinha um terço do total de alunos inscritos, o número de faltantes foi de 11,2%. Os alunos assinaram um termo de compromisso com a Secretaria Estadual de Educação, que pagou a maior parte das inscrições.

A coordenadora do Enem, Maria Inês Fini, disse que o número de abstenções era previsto, dado o caráter voluntário do exame. "O aluno não era obrigado a fazer a prova. Só fazia se quisesse", afirmou.

O destaque, segundo ela, ficou para as reações positivas sobre o Enem. "Recebemos inúmeros elogios de pais, alunos e de especialistas em educação. A prova, no geral, foi considerada bem elaborada. Agora, estamos esperando convites para discutir a qualidade da avaliação e o tipo de indicadores que ela pode oferecer".

Para Fini, o Enem correspondeu às expectativas do meio acadêmico. "A partir de agora, vamos agilizar o debate sobre a utilização dos resultados do exame, tanto pelo mercado de trabalho como para acesso a cursos universitários", afirmou.

O exame, acrescenta ela, também deve trazer uma contribuição valiosa para a reforma do ensino médio, que está em andamento. Isto porque o Enem já foi elaborado de acordo com os novos parâmetros curriculares para o ensino médio.

"O Enem mostrou que a formação do aluno deve estimular o desenvolvimento de competências e habilidades, o raciocínio lógico e a capacidade de resolver problemas. Não apenas a simples memorização de conteúdos", afirma.