Enem 31 de Agosto de 0098

Tranqüilidade marca realização do exame do ensino médioElogios

Notícias do Enem

Tranqüilidade marca realização do exame do ensino médio

Uma prova tranqüila. Foi assim que a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Maria Helena Guimarães de Castro, definiu a realização do primeiro Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem.

"O Enem veio para ficar e não tenho dúvidas que no próximo ano teremos um aumento substancial na quantidade de alunos avaliados", afirmou Maria Helena, lembrando que o ministro Paulo Renato garantiu o caráter voluntário do exame. "Não temos a intenção de transformar o exame em uma verificação obrigatória", disse a presidente do Inep.

Os alunos que fizeram o exame receberão em suas residências as notas e um boletim contendo uma avaliação de seu desempenho, até o dia 10 de novembro. Algumas instituições, como a PUC do Rio de Janeiro, usarão os resultados deste exame já para selecionar alunos para os cursos superiores do próximo ano. No caso da universidade carioca, ficou acertado que 20% de suas vagas serão destinadas a alunos que obtiverem mais de 70% de aproveitamento no Enem.

O Inep pretende iniciar imediatamente uma série de contatos com várias instituições de ensino de nível superior para incentivar a adoção do Enem, como alternativa para o vestibular, para acesso a cursos universitários. "Já temos o interesse demonstrado por universidades particulares de São Paulo e da Universidade Federal de Pernambuco. A Unicamp também, durante um seminário em maio, levantou a possibilidade de usar o Enem como substituto da primeira fase de seu vestibular", disse.

Elogios

O conteúdo da prova foi muito elogiado por alunos, educadores e especialistas em educação. Maria Inês Fini, coordenadora do exame, destacou a importância dada a interdisciplinaridade das questões. "Também foi fundamental o apoio dado pelas secretarias estaduais ao Enem. Em Pelotas (RS), chegou-se a preparar uma sala especial para que um aluno, com pneumonia, pudesse responder as questões", disse.

A elaboração da prova envolveu uma banca de quase cem profissionais da área de educação. "O raciocínio critico e a capacidade de resolver problemas foram os fatores mais exigidos na resolução das questões", lembrou Maria Inês Fini, destacando a busca por romper conceitos tradicionais de provas que são aplicadas nesse nível de ensino.

Para a presidente do Inep, o Enem tornou-se um instrumento fundamental para avaliar os alunos dentro da nova concepção de ensino médio delineada pelos novos parâmetros curriculares nacionais. "Uma reforma que passou a ser fundamental não só pelas determinações da Lei das Diretrizes e Bases da Educação, mas também pelo salto quantitativo que foi dado no ensino médio do país", afirmou.

Maria Helena disse ainda que os dados que serão divulgados com o censo educacional deste ano mostrarão que o número de matriculados no ensino médio, em 1998, chega a quase 7 milhões. "De 1991 a 1998 praticamente dobramos número de alunos. Com um detalhe, enquanto em 1980, 40% dos alunos estavam na rede particular. Este ano, 80% estão na rede pública de ensino".