Projeto: Educação Profissional no Brasil e Evasão Escolar

Coordenador: Rosemary Dore Heijmans

Resumo: O estudo tem como principais objetivos: integrar um grupo de pesquisa internacional que se organizou para pesquisar a educação profissional e o problema da evasão escolar entre jovens de 15 a 20 anos, nos países participantes; identicar e quantificar a evasão escolar no Brasil a partir de 1996, nos cursos de formação profissional, na faixa etária de 15 a 20 anos, bem como as suas causas, classificando-as de acordo com o contexto mais amplo das diferenças nacionais. Cooperar na realização de estudos comparativos entre os dados da evasão no Brasil e aqueles dos demais países integrantes do grupo de pesquisa internacional; desenvolver, em comum com os países participantes, proposições que possam subsidiar a formulação de políticas educacionais para a educação profissional, com o intento de reduzir o número de jovens que abandonam esse tipo de ensino. 

          Evasão escolar nas escolas técnicas

A evasão escolar, historicamente, faz parte dos debates e reflexões do dia-a-dia da educação brasileira e ocupa espaço de relevância no cenário das políticas públicas educacionais. Vários estudos têm apontado aspectos sociais considerados como determinantes da evasão escolar, dentre eles, a desestruturação familiar, as políticas de governo, o desemprego, o baixo desempenho, reprovação, a escola e a própria criança.

A evasão escolar deve ser investigada desde as séries iniciais do Ensino Fundamental até o Superior. Um estudo coordenado pela professora Rosemary Dore Heijmans, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), trata especificamente do abandono escolar nas escolas técnicas de nível médio. Segundo ela, embora haja muitas pesquisas sobre o tema, quase não há estudos sobre a evasão nas escolas profissionalizantes.

Este projeto integra a rede internacional de pesquisa que busca soluções para o problema da evasão na educação profissional. A questão é reconhecida em diversos países. Essas nações tentam entender a defasagem entre o conhecimento existente sobre o assunto e a persistência do problema. Essa integração busca soluções e experiências bem sucedidas.

O primeiro passo da pesquisa realizada na UFMG foi a revisão bibliográfica sobre evasão escolar no Brasil. Em seguida, passou-se a identificar e quantificar a evasão nos cursos técnicos no Brasil a partir de 1996, bem como as suas causas. Dando continuidade ao estudo, serão feitas pesquisas em escolas da região metropolitana de Belo Horizonte, para identificar as causas do abandono escolar em áreas de formação profissional que apresentem taxas mais elevadas de evasão.

O projeto tem como justificativa a existência da evasão no ensino técnico, os escassos estudos sobre essa questão, a política educacional de expansão do ensino técnico, a progressão automática no ensino fundamental, o considerável desperdício financeiro, e a dificuldade de inserção dos jovens no mercado de trabalho por falta de qualificação.

"O acesso e a permanência do aluno na escola é uma dimensão da democratização da educação. A expansão das escolas técnicas no governo Lula pode ser feita com apoio nas pesquisas sobre evasão escolar para tentar solucionar o problema antes que ele aconteça nessas novas instituições de qualificação profissional", disse a Professora Rosemary.

A pesquisa resultará em uma revisão bibliográfica do tema; estudos sobre políticas educacionais; um mapa da evasão escolar; estudo de casos em Belo Horizonte e, por fim, a comparação dos principais fatores de evasão no ensino técnico no Brasil com os apresentados pelos demais países integrantes da rede internacional de pesquisa.

Dentre as possíveis causas já identificadas pelo estudo para o abando do Ensino Médio técnico estão: o nível socioeconômico do aluno; a estrutura organizacional e pedagógica das escolas; a política educacional; a relação da escola com a cultura jovem; a "necessidade" de o jovem ter que optar por estudar ou trabalhar; e questões curriculares.

As considerações parciais feitas pela equipe da UFMG apontam que uma das conseqüências da evasão é a baixa qualificação profissional dos jovens. Como não há registros sobre as questões de raça, gênero e deficiências, a pesquisa que será realizada em Belo Horizonte abordará também essas questões.

A conclusão do trabalho caminha para a identificação de soluções que possam por fim à problemática da evasão nas escolas técnicas de nível médio e que caminhem para uma educação de qualidade, que seja atraente e não excludente.