Projeto: Síndrome de Burnout em educadores e seus efeitos sobre os resultados de proficiência dos alunos: um estudo de abrangência nacional a ser realizado com as bases de dados do Saeb/ Inep e do Censo Escolar/ Inep, referentes a 2003 e 2005

Projeto: Síndrome de Burnout em educadores e seus efeitos sobre os resultados de proficiência dos alunos: um estudo de abrangência nacional a ser realizado com as bases de dados do SAEB/ INEP e do Censo Escolar/INEP, referentes a 2003 e 2005.

Coordenador: Wanderley Codo

Resumo: Este estudo trata da síndrome de Burnuot, termo psicológico que descreve a exaustão prolongada e a diminuição do interesse especialmente em relação ao trabalho, sofrimento que afeta a mente e/ou a afetividade e identidade. O estudo foca a síndrome nos educadores da educação básica e articula esses resultados com a proficiência dos alunos, feita com base nos dados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB) e do Censo Escolar feitos pelo INEP, entre 2003 e 2005.

O efeito que a Síndrome de Burnout em professores provoca em alunos da educação básica 

A Síndrome de Burnout é descrita na Psicologia como uma sensação de exaustão prolongada e diminuição do interesse, especialmente em relação ao trabalho. Um grupo de pesquisa coordenado pelo professor Wanderley Codo, da UnB, estuda a relação entre a manifestação dessa síndrome, nos professores, e o desempenho escolar de seus alunos.

O estudo está focado no desempenho de estudantes da Educação Básica e são usados os bancos de dados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB) e do Censo da Educação Básica para avaliar o desempenho dos estudantes. Os questionários que avaliam a incidência de Burnout nos docentes foram obtidos do banco de dados do SAEB de 2003 e 2005.

O projeto de pesquisa tem abrangência nacional e visa dar embasamento científico a futuras políticas educacionais que possam ser implementadas em estados e municípios.

Em professores, a Síndrome de Burnout pode ser caracterizada por um estresse crônico produzido pelo contato com as demandas exaustivas do ambiente escolar. Mesmo os professores considerados mais competentes podem sofrer desse mal.